A floresta

Ela sempre teve dificuldades para dormir, mas naquele dia ela conseguiu.

Ao acordar não estava na sua cama, por um instante, antes de abrir o olhos, sentiu que seu corpo estava em uma superfície dura, suja, gelada e úmida. Ela teve medo, pois percebeu que estava sozinha. Num segundo de esperança achou que aquela sensação vinha daqueles sonhos estranhos, onde parece que estamos numa dimensão paralela, então sentiu um alívio, porque teve certeza que era só deixar suas pálpebras se abrirem que voltaria para seu lugar seguro. Ao fazer isso, percebeu que já não estava mais na sua vida, sua casa, sua cabeça, seu corpo, sua alma… ela estava presa no meio da Floresta Desencantada.

Ali não existe cheiro de relva fresca, o que predomina é o odor de decomposição. Foi quando descobriu que o que estava morto ali não eram animais ou as folhas que jaziam nas poças de água suja. Aquele odor de putrefação vinha de sonhos desfeitos, de almas secas…

Quando entendeu o que estava acontecendo, percebeu que sua insônia era um presente, pensou que se naquele dia não tivesse dormido, com certeza não teria sido transportada para aquele lugar.

A Floresta Desencantada tem árvores altas, copas tão densas que não deixavam a claridade entrar… mas ao olhar mais atentamente, ela percebeu que as folhas estavam secas, mortas…, mas por algum motivo que ela não entendia, aquelas folhas sem vida se recusavam a cair.

O ar era pesado, difícil de respirar. O peso não vinha apenas do que a morte ali presente exalava, mas da densidade dos gases. Ali ela não conseguia encher os pulmões, e foi assim que passou a viver: sem ar.

Na Floresta Desencantada tudo que ali tentava nascer, já nascia morto. As pequenas mudas que ali tentavam compor a relva já brotavam com galhos e folhas secas. Os animais não nasciam de outros animais, apenas surgiam da escuridão, e sim… já sem vida. Eram bestas que não urravam, emitiam apenas grunhidos de dor.

Depois de anos ali sem encontrar a saída, ela percebeu que não era ela que habitava a floresta, mas sim a floresta que a habitava. Ela era a sua própria escuridão.

Anúncios

=]

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s