Criado-mudo

As vezes me sinto um criado-mudo… criada-muda…. menina-muda… acho que é isso! Que de muda não tem nada, e por isso acabo sempre sendo a menina super bacana, a sempre amiga… e sinceramente cansei um pouco disso.
Chega, não quero mais ser a SUPERAMIGA (meninas, esse recado não é pra vcs!)…. sabe aquela coisa do criado-mudo que tá do lado da cama, vê as coisas passando, sabe de todas as novidades, tá sempre ali….
Eu não sou criado-mudo, e por favor me dá espaço, eu quero esquecer, quero deixar desaparecer, e para isso chega de mensagens em códigos!

O corpo fala!


Mais uma vez vamos falar de relacionamentos, geralmente com meninas “vacinadas” a coisa funciona da seguinte forma: ao primeiro sinal de que algo possa estar errado, mas a “bobinha” insiste, entra em ação os anticorpos das paixonites (licença poética, repare no ITE).
Por exemplo, aquele cara “bacana” fura com você, te estressa por N motivos, mas você continua achando que algo pode render com essa história, ou seja, seu coração quer ultrapassar seu cérebro.
Entra em ação nossos leucócitos amigos, que detectam o inimigo, e VÃO A LUTA. Os sitomas dessa reação são: sonolência, que gera preguiça de ir pra acadêmia, falta de vontade de se maquiar, esquecimento súbito do protetor solar,… podendo haver até sangramento nasal nas paixonites mais insistentes.
Bem, com tudo isso dá pra perceber que há algo de errado, e que você tem que mudar de atitude, afinal O QUE ESTRESSA NÃO INTERESSA!

P.S. – sim, você já ouviu esse título, O CORPO FALA é título de um livro de Pierre Weil e Roland Tompakow

Déjà Vu


Cansei um pouco de algumas coisas, e ando duvidando de tantas outras. Por conta de tudo isso a frase eleita da semana é uma que um amigo muito querido, o Márcio, já falou pra mim mais de uma vez: “SEU CORAÇÃO É BOM DEMAIS PRA DEIXAR ALGUÉM FAZER EMBAIXADINHA COM ELE!”