Pintura nova

As paredes da quadra estão recém-pintadas. Nem tem marcas ainda das boladas do futebol, esse mesmo que acompanho da janela. Um pai e os dois filhos. Daqui eu olho e minha imaginação vai para lugares em outras dimensões, onde provavelmente eu não estaria olhando da janela, mas na quadra recém-pintada jogando 2 x 2.

Anúncios

Poesia perdida

Dos castelos restaram ruínas,

espaços vazios, flores sem vida,

eu fiz de você o que me faltava,

e de seus braços minha casa

Autor desconhecido

Sobre minhas janelas

Sempre tentei respeitar a máxima que o IG era para fotos, não para “textão”, mas ontem “precisei” tirar uma foto crua, uma foto de alma. Não é uma foto incrível, mas é um registro do que acontecia dentro do meu peito, aqueles sentimentos onde coração e cérebro brigam, não se conectam, e o coração vira seu corpo, e sim, vc sente o pulsar, o acelerar e descompensar da cabeça até os dedos dos pés.

Então replico aqui o meu “textão”, pq sei que o lugar dele é aqui

——–

Qdo eu era pequena morava num sobrado de 3 andares, tinha uma grade na minha janela… mas lá qdo eu tinha uns 10 anos, percebi q era só desparafusar e fiz isso numa tarde! Qdo meus pais chegaram à noite surtaram, mas eu simplesmente expliquei q me sentia presa, q a casa tinha alarme, q era muito alto para alguém conseguir escalar… e q eu não queria ter nada entre eu e o céu. A bronca foi gde… mas consegui ficar sem as grades. Mal sabiam os meus pais q praticamente toda noite eu colocava música na minha vitrola preta, e sentava ali na janela, nada impedia q eu caísse, não havia mais grades, eram 3 andares p baixo… mas eu nem me preocupava com isso, pq na verdade eu gostava de sentar ali ouvindo música e olhando o céu sem grades, pensava no q eu ia ser “qdo crescer”.

Aqui não tem grades, não tem queda, mas tem o céu q continua me acompanhando, e o Pico do Jaraguá p eu fixar o olhar e tentar visualizar o q vem pela frente.

Casa Claudia (e mais um impresso morre)

CC650_CAPA_BANCAS

A verdade é que essa revista me acompanhou desde muito pequena e fez de certa forma parte da realização de três sonhos.

O primeiro foi aos 6/7 anos, quando morávamos de aluguel e meus pais compravam a revista todo mês, lembro certinho de ter pilhas da revista na sala de nossa casa alugada, enquanto eles contruiam o sonho da casa própria. Acho que foi um pouco culpa da publicação termos uma casa com mais de 300m2, chão de madeira, varanda, uma cozinha gigante de marcenaria, uma suite principal com banheira e mais todos os outros etcs que as páginas fizeram eles viajarem. Foi ali que escolhi o lustre do meu quarto, numa das páginas.

A segunda vez que a revista fez parte do meu sonho foi me tornar Abriliana, não trabalhei na Casa Claudia, mas era vizinha na Arquitetura e Construção, e fazia parte daquele núcleo que respirava beleza, e naquele momento o assunto decoração já estava na minha veia porque ser diretora de arte não está só no papel, nas páginas da web, ou em outra media… esta no olhar que você de como você o mundo.

Bem, meu terceiro momento com essas páginas inspiradoras de papel foi quando eu estava materializando meu 12B. Confesso que não comprava todos os meses (como meus pais), afinal muito do 12B está lá do Pinterest, da minha cabeça, das minhas viagens, das minhas histórias, dos meus desejos, mas algumas ideias vieram inspiradas também naquelas páginas mágicas, que agora não passaram mais pelos rolos de impressão.

E esse dinheiro na minha conta?

Quem nunca desejou que um dia abrisse a conta, fosse conferir o saldo e de repente… PUFF… uma bolada estivesse e lá e você simplesmente não soubesse da onde vem?

Seria um prêmio que você nem sabia que tinha ganho, alguém que estivesse distribuindo dinheiro para “x” pessoas…?

Aquele dinheiro que dava para ficar uns meses apenas pensando na vida, revitalizando a casa, as roupas, a casa, viajando… quem nunca sonhou? Bem aconteceu comigo no início dessa semana, e esse dinheiro todo tinha nome, sobrenome, conta e agência que por sinal era do mesmo banco que o meu… e provavelmente sim.. era um engano. Fui atrás do telefone da agência e conversei com a gerente da pessoa, expliquei o ocorrido e o cidadão provavelmente teve um dos melhores dias da sua vida. Hoje estou fazendo a transferência.

A minha viagem, a minha revitalizada no meu guarda-roupa, na casa… bem, vai vir com meu trabalho, com minhas mudanças de caminho, com novas ideias que vão surgir. Mas sim, o Universo fez essa brincadeirinha que a gente sempre pede: de um dia conferir o saldo da conta e estar um dinheiro mágico que veio não sei da onde. FIM.

2017… 2018

Começar no dia 30. Novos sabores. Aproveitar todas as horas do dia 31. Novas sardas. Perder o medo de andar nas pedras. Parar de ter “nojinho” de algas, limo… etc. Banho de mar. Banho de chuva. Ver o relógio marcar 00:00 de um novo ano. Novas músicas. Procurar o “Cruzeiro do Sul” e as “Três Marias” no céu estrelado. Passar pela multidão e chegar num lugar onde o único barulho que se ouve é o bater das ondas contras as rochas. Ver o céu mais limpo ainda e com tantas estrelas que parece purpurina porque não há luz artificial para ofuscar. Ver a Lua em 99% refletindo no oceano e não ter pressa para admirar o “caminho” prateado que desdobra à sua frente. Dançar até ver os primeiros raios de sol despontarem atrás de você. Observar a luz invadir as montanhas. Continuar dançando ou só sentar e contemplar a mistura do canto dos pássaros com a trilha sonora “feita” na hora. Um casal de tartarugas vir dar bom dia. Improvisar para um primeiro banho de água salgada. Saltar do alto. Nadar sem “dar pé”. O “mundo” acordar, enquanto você vai dormir.

Heartbeats – The Knife

 

Desde ontem essa música não para de tocar por aqui (no caso: meus fones, no carro, em casa)… e fico lutando para não entrar no TOC musical (rs): “não vou colocar no repeat”. Mas assim que a música acaba (às vezes antes disso), estou eu lá colocando ela no comecinho de novo.

Sobre minhas “degustações” de música…. ela já nasceu notívaga, depois de uns segundos o coração realmente vai no ritmo que a música quer te levar…. e como a noite é “uma criança”…. nessa minha música TOC preciso de várias dimensões para fazer tudo o que corpo pede ouvindo as batidas:

  • mato, fogueira e dançar de braços para o ar (um lado bruxa pedindo para tirar até a roupa? rs)
  • também é uma música que entra na playlist dançando com a parede sem medo de ser feliz (aqui eu ia pedir para dançar com um copo daquela cerveja incrível que tomei essa semana que não lembro o nome, mas estava na torneira 7)
  • penso também em sintonia de corpos… já que aqui as batidas te levam para um uníssono…. e aí o cenário é só pele e não precisa mais do que isso.

Aqui temos tudo junto e misturado, num amontoado de emoções de promessas que na verdade não devem/precisam ser feitas. Então só pare por uns momentos, silencie os pensamentos e sinta esse músculo que pulsa aí no meio do seu peito. E então você vai sentir um corpo inteiro tornando-se coração no sentido mais cru do ser.

 

ter foco

Dizem que é o primeiro passo. Quem tem foco alcança…. mas isso diz respeito a ter foco nas coisas certas. E o que será que é realmente certo?

Diz a lenda que quem consegue meditar, consegue ter foco no NADA…. e é nesse NADA onde você encontra as respostas que procura. (puxa como eu queria saber meditar)

Às vezes não ter foco é só uma distração, e você esquece de fazer as coisas. Em outros momentos é aquela página de livro que você tentar ler durante dias e não passa do segundo parágrafo.

Mas existe o contrário também que é ter FOCO DEMAIS no que não faz bem… e aí eu volto ao exemplo do livro. Talvez ali não seja falta de foco, mas o foco não está naquilo que você quer fazer, (ou pelo menos tenta fazer para distrair) isso pode acontecer com  músicas, ou até o ato de comer… você tem foco… mas ele está longe dali. Você entra em piloto automático para conseguir fazer o mínimo no dia a dia. E isso parece que vira uma espiral…

E se ter foco é o primeiro passo, e você não consegue…. qual exercício fazer para desbravar um novo caminho?

Enchendo o pote

Há uns bons meses atrás “elegi” um pote para encher com tudo o que eu precisava que saísse… ficou raso por meses.

De vinte dias para cá o pote encheu… pensamentos, dores, devaneios ou simplesmente puxar o ar e soltar. Tudo isso virou fumaça.

Pensei em pegar um novo pote, mas percebi que o que eu preciso é esvazia-lo…